Neurocientistas mostram o que o jejum faz ao seu cérebro e porque as indústrias farmacêuticas não vão estudar esse fenômeno

Mark Mattson, o atual chefe do Laboratório de Neurociência do Instituto Nacional de Envelhecimento e também professor de neurociência na Universidade Johns Hopkins, um dos mais respeitados pesquisadores na área de mecanismos moleculares e celulares para desordens neurodegenerativas, deu um TEDx que deveria ser assistido (em inglês).

Existem exemplos incontáveis da manipulação de pesquisas publicadas pelas industrias farmacêuticas nos anos recentes. É por isso que o professor de medicina de Harvard Arnold Symour Relman disse ao mundo que a profissão medica foi comprada pela indústria farmacêutica.

Dr. Richard Horton, editor chefe da revista The Lancet, disse que muito da literatura cientifica publicada hoje é inverdade. Já a Dra. Marcia Angell, antiga editora chefe da New England Journal of Medicine, disse que a “a indústria farmacêutica gosta de ser mostrar como uma indústria baseada em pesquisam, como a fonte de drogas inovadoras. Nada poderia ser mais longe da verdade.”

E é por isso que John Loannidis, um epidemiologista da escola de medicina da Universidade de Stanford publicou um artigo intitulado “Porque a maioria dos achados de pesquisas publicadas são falsos” que subsequentemente se tornou o artigo mais acessado da história da PLoS.

jejuar faz bem para o cerebro

 

Dr. Mattson comenta no final do vídeo:

“Porque a dieta normal é três refeições diárias mais lanches? Não é porque ela seja o padrão mais saudável de comer, isso é a minha opinião, mas eu acho que existe um monte de evidência que mostra isso. Existe uma grande pressão que exista esse padrão de alimentação, existe muito dinheiro envolvido.

A indústria alimentícia – eles vão ganhar dinheiro de pessoas que pularam o café da manhã, como eu fiz hoje? Não, eles vão perder dinheiro. Se as pessoas jejuarem, a indústria alimentícia perde dinheiro. E a indústria farmacêutica?

Se as pessoas fizerem pequenos jejuns, se exercitem periodicamente e forem muito saudáveis, a indústria farmacêutica vai fazer dinheiro com pessoas saudáveis? ”

Principais pontos da palestra acima e a ciência da qual ela veio

Mark e sua equipe já publicaram vários artigos que discutem como jejuar duas vezes por semana pode diminuir o risco de desenvolver doenças como Parkinson e Alzheimer

“Já são bem conhecidas as mudanças que fazemos na dieta afetam nosso cérebro. Crianças que sofrem de epilepsia tem menos episódios quando são colocadas em dietas de restrição calórica ou jejuns.

Acredita-se que o jejum ajuda a iniciar medidas protetivas que ajudam a contrabalancear os sinais superexcitados que os cérebros epiléticos muitas vezes exibem (algumas crianças também se beneficiaram de uma dieta bem especifica com muita gordura e pouco carboidrato).

Cérebros normais, quando superalimentados, podem experimentar outro tipo de excitação descontrolada, impedindo o funcionamento cerebral.”

Basicamente, quando você olha para estudos sobre restrição calórica, muitos deles mostram um tempo de vida prolongado assim como uma habilidade aumentada de lutar contra doenças crônicas.

“A restrição calórica aumenta o tempo de vida e retarda doenças crônicas relacionadas a idade em muitas espécies, como ratos, camundongos, peixes, moscas, minhocas e leveduras. O mecanismo ou mecanismos pelo qual isso ocorre é desconhecido”

A frase acima é de uma revisão da literatura que tem mais de 10 anos. O trabalho apresentado aqui mostra alguns dos mecanismos que antes eram desconhecidos.

O jejum faz coisas boas ao cérebro, e isso é evidenciado pelas mudanças neuroquímicas benéficas que acontecem no cérebro quando em jejum. Também aumenta a função cognitiva, fatores neurotróficos, resistência ao dano e reduz a inflamação.

O jejum é um desafio para o cérebro, e o cérebro responde a esse desafio adaptando vias de resposta ao dano que ajudam o seu cérebro a lidar com o dano e o risco de doenças. As mesmas mudanças que ocorrem no cérebro durante o jejum imitam as mudanças que ocorrem com exercício regular. Ambas aumentam a produção de fatores neurotróficos que promovem o crescimento de neurônios, a conexão entre eles e a força das sinapses.

“Desafios para o cérebro, seja por jejum intermitente ou exercício vigoroso… é um desafio cognitivo. Quando isso acontece circuitos neurais são ativados, níveis de fatores neurotróficos aumentam, e isso promove o crescimento de neurônios (e) a formação e fortalecimento das sinapses…”

O jejum também pode estimular a produção de novas células nervosas de células tronco no hipocampo. Ele também menciona a produção de cetonas e que isso poderia aumentar o número de mitocôndrias nos neurônios.

O jejum também aumenta o número de mitocôndrias nas células nervosas; isso é um resultado dos neurônios se adaptando ao dano pelo jejum (pela produção de mais mitocôndrias).

Pelo aumento do número de mitocôndrias nos neurônios, a habilidade dos neurônios de formar e manter as conexões entre eles também aumentam, melhorando assim o aprendizado e a memória.

“O jejum intermitente aumenta a habilidade das células nervosas de reparar DNA.”

Ele também entra no aspecto evolucionário da teoria – como nossos ancestrais adaptaram e foram selecionados para passar longos períodos de tempo sem comer.

Um estudo publicado na revista Cell Stem Cell por pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia mostrou que ciclos de jejum prolongado protegem contra danos no sistema imune e, mais ainda, induz a regeneração do sistema imune.

Eles concluíram que o jejum altera as células tronco do estado dormente para o estado de auto-renovação. Ele ativa a regeneração baseada em células tronco de um órgão ou sistema.

Pesquisas clinicas em humanos foram realizadas usando pacientes que recebiam quimioterapia. Por longos períodos de tempo, os pacientes não comiam, o que reduziu as células de defesa. Em camundongos, ciclos de jejum “ligaram a regeneração, mudando as vias de sinalização das células tronco hematopoéticas, que são responsáveis pela geração do sistema sanguíneo e imune.”

Isso significa que o jejum mata as células imunes velhas e danificadas e quando o organismo reinicia ele usa as células tronco para criar células novinhas, completamente saudáveis.

“Nós não poderíamos prever que o jejum prolongado poderia ter um efeito tão impressionante na promoção de regeneração baseada em célula tronco do sistema hematopoético…

Quando você passa fome, o sistema tenta poupar energia, e uma das coisas que você pode fazer para poupar energia é reciclar muitas células imunes que não são necessárias, especialmente aquelas que estão danificadas. Nós começamos a notar em humanos e animais que as células de defesa diminui no jejum prolongado. Quando você é realimentado, as células retornam” – Valter Longo

Uma revisão de vários estudos sobre jejum foi publicada no The American Journal of Clinical Nutrition em 2007. Ela examinou estudos em humanos e animais e determinou que o jejum é uma maneira efetiva de reduzir o risco de doenças cardiovasculares e câncer. Também mostrou potencial em tratar a diabetes.

 

Antes de jejuar

Antes de começar a jejuar, tenha certeza que fez seu dever de casa. Pessoalmente, eu venho jejuando por anos e é algo fácil para mim.

Uma maneira recomendada de fazer – que foi testada pelo Michael Mosley da BBC para reverter seu diabetes, colesterol alto e outros problemas associados com a obesidade – é a que é conhecida como “dieta 5:2”.

No plano 5:2, você reduz sua comida para um quarto das suas calorias normais nos dias em jejum (que deve ser algo como 600 calorias para homens e 500 calorias para mulheres nas terças e quintas por exemplo), mas consumindo bastante água. Nos outros cinco dias da semana, você come uma dieta normal (no mesmo exemplo, 2400 para homens e 2000 para mulheres nos outros dias).

Outra maneira de fazer é restringir sua alimentação em algum horário específico, como só comer entre as 11 da manhã e 7 da noite e não comer fora desse horário.

Como você pensa sua dieta é, na minha opinião, uma das mais importantes, se não a mais importante parte de estar saudável. Como você pensa sobre o que você está inserindo no seu organismo é importante e eu acredito que isso irá eventualmente ficar firmemente estabelecido na literatura médica não influenciável no futuro.

Author: admin

Administrador do “Tema-Livre”

Share This Post On

47 Comments

  1. Muito bom!

    Post a Reply
    • Sou praticante de jejum a varios anos e não conheço prática melhor para renovação do seu corpo e mente melhor que o jejum. Vale a pena essa prática!!

      Post a Reply
    • Acho criminosa esta postagem. Mas cada um com sua vida. O ruim é exagerar. O estômago tem muito avido. Cada um com suas escolhas.

      Post a Reply
  2. Comer é bãããooo ! Nhac nhac nhac …

    Post a Reply
  3. Excelente! Já experimentei o protocolo 5:2, o 16/8 e agora estou a testar o 20/4 (“Warrior”)… todos excelentes!!!!!
    Obrigado pelo artigo.

    Post a Reply
    • ALEXANDRE O QUE É ISTO ??? PROTOCOLOS ????

      Post a Reply
      • – A Dieta 5:2
        O método da dieta 5:2 permite que você coma normalmente 5 dias da semana, enquanto restringe o consumo de calorias para 500-600 durante os outros dois dias.
        A dieta foi popularizada pelo médico britânico Michael Mosley.
        Nos dias de jejum é recomendado que as mulheres consumam 500 calorias e os homens 600.

        Assim, você pode comer normalmente todos os dias exceto às segundas-feiras e às quintas, por exemplo, quando só irá fazer duas refeições pequenas (cada uma com 250 calorias para as mulheres e 300 para os homens).
        O problema dessa dieta é que não há pesquisas feitas com esse protocolo. Além disso, muitos críticos apontam, com certa razão, que ao ingerir calorias, mesmo que poucas, você não fica mais em jejum.
        No entanto, é possível emagrecer com a dieta 5:2 sim, já que você irá consumir menos calorias durante a semana. O importante é não compensar e comer mais nos dias de alimentação normal.

        Post a Reply
  4. A maioria das pessoas desdenha da bíblia, o livro da verdade, e porque não dizer: o Livro das Verdades de Deus? Antes de qualquer pesquisa científica o jejum já era praticado até mesmo pelo próprio Jesus.

    Post a Reply
    • Estava lendo e pensando nisto. Tudo o q o Senhor nos pede é pensando exclusivamente em nós!

      Post a Reply
    • Exatamente! E vai além, pois já era praticado no Antigo Testamento. Deus nos fez para o jejum também. É algo natural.

      Post a Reply
      • Interessante a se pensar a sim, e ler esse artigo, é que parando-se para pensar, quase todas as religiões (cristianismo, budismo, taoísmo, mulçumana…) seguem a prática de jejuar, como uma forma de purificação do corpo e alma.

        Post a Reply
    • Pensei exatamente nisso, Deus é maravilhoso pensamos que o jejum cuida so do nosso espiritual mais na realidade cuida do corpo também.

      Post a Reply
  5. MT bom… Excelente..
    Cada dia descobrimos mais uma falcatrua dás industrias do PODER…

    Post a Reply
  6. Muito correto. Apenas acrescento
    a necessidade da NÃO INGESTÃO DE AÇÚCARES E ADOÇANTES ARTIFICIAIS e para ficar nota 10: INGERIR COMIDA DE VERDADE, A QUE SE PRRPARA EM CASA, NADA DE INDUSTRIALIZADOS!

    Post a Reply
  7. Embasamento científico raso. Texto desconexo e pesquisas não citadas por nomes. Alem do que, aplica o Lamarquismo como explicação de evolução.
    Santa paciência.

    Post a Reply
    • Lanna, enquanto os tolos que criticam e desdenham querem dar umas de sabichões, os sábios vão à boa prática e desfrutam dos bons resultados. Fica a dica!

      Post a Reply
      • Entretando, ela não está errada.

        Post a Reply
        • Eu gostava de saber se fazer jejum eu queria total,mas tenho medicação diária,obrigatória,tornando um semi jejum ? Pergunto os remédios vão actuar como comida? Eu fiz por vários anos jejum total uma vez por SEMA isto e 4 x ao mes,mas na altura não tinha obrigação de medicação,medicação esta que e muito forte e com muitos efeitos secundários,a minha duvida e se e considerado jejum não comendo mas fazendo medicação,muito obrigada,e que assim como os remédios são tao fortes se não como nada passo mal e não tenho feito meus ricos jejuns

          Post a Reply
    • Por que você não faz uma pesquisa cientifica provante que isso tudo é mentira?
      Enquanto não estuda isso por favor não fale nada.

      Post a Reply
  8. Para o informações sobre JEJUM PROLONGADO, leia:

    – JEJUM, A DIETA IDEAL
    – JEJUM COMO DIETA OPCIONAL

    Ambos de Allan Cott

    Editora Record

    Post a Reply
  9. Muito interessante o texto, vou ler mais sobre esse assunto, ainda mais que ele vai na contra mão de todas as orientações de nutricionistas que eu tive minha vida toda.

    Obrigado por compartilhar.

    Post a Reply
  10. Muito legal. Mas já que o texto levantou essa questão, eu pergunto, por que tudo o que foi dito aqui é mais verdade ou mais sério ou mais idôneo do que aquelas pesquisas que foram taxadas de falsas ou incorretas? Só porque nós gostamos dos resultados delas, não significa que são melhores. Elas também pode estar erradas. A questão é, como saber em que acreditar? Assim como cientistas respeitados respaldam as pesquisas sobre o jejum, outros também muito respeitados fazem o mesmo pelas pesquisas contra o jejum. Eu não sou médico e não tenho condições de avaliar um artigo científico da área. Mesmos os médicos podem se deixar enganar. Já fiz parte do mundo acadêmico do campo de tecnologia dá informação e pesquisas são realizadas o tempo todo, por muita gente no mundo todo. Não se pode acreditar em tudo que é publicado porque é muito fácil publicar, qualquer um pode fazer isso. Por isso os congressos e as revistas científicas mais respeitados são aqueles em que o resultado de uma pesquisa precisa ser muito bem verificado e comprovado senão nem são publicados.
    Outra coisa importante é não se deixar levar apenas pelo título ou resumo ou a conclusão do artigo. Eles dizem alguma coisa, mas não dizem tudo. Pra entender o todo, é preciso saber do contexto de onde saiu a conclusão porque por mais correto que possa ser o resultado de uma pesquisa, ainda sim pode estar incompleto e necessitar de mais pesquisa. E talvez só depois dessas outras pesquisas é que se possa dizer que tudo aquilo é verdade ou não.

    Post a Reply
    • Incrívelmente conseguiste usar tantas palavras que até parece que usas o teu juízo crítico mas não é o caso? Como sabemos em que acreditar?! Não sou médico?! RIDÍCULO!!! És tu quem tem suma responsabilidade sobre ti próprio e o organismo que habitas. Não há que acreditar mas sim que compreender! Lá por não seres médico não significa que tenhas que ser um completo ignorante na matéria, especialmente quando esta é tão delicada e importante para ti. Hipocrisia, se te deres ao trabalho de pesquisar, é a capacidade de exigir dos outros aquilo que não fazemos. Logo és um hipócrita mas um muito ignorante. Não te dês ao trabalho de responder. És vítima de ti próprio, agora não ouses desdenhar de quem faz por todos o que tu não fazes por ti.

      Post a Reply
  11. Gostei muito da matéria.

    Duvidas / observações :

    No jejum 3a e 5a vc fica sem comer de Meia noite até meia noite do dia seguinte? Ou qual seria o horário sem comer?

    No outro caso, comer apenas das 11h às 19h, a pessoa pode acabar tomando café da manhã almoçando e jantando (dentro desse horário). Mesmo assim é considerado jejum?

    Post a Reply
  12. Jejum matinal fiz por mais de dez anos. Me senti muito bem.Experimente! Felicidades

    Post a Reply
  13. Comer é bom demais. pode comer sem medo. Você irá morrer de qualquer jeito.

    Post a Reply
  14. UM ABSURDO! Texto raso, sem embasamento, não cita as fontes dos dados apresentados e descreve de forma completamente incorreta o funcionamento celular. Isso sem mencionar a falta de responsabilidade ao incentivar uma dieta sem acompanhamento médico. Isso é um verdadeiro mal à sociedade e um pesadelo para profissionais da saúde que passam anos estudando e pesquisando sobre o tema.

    Post a Reply
  15. Nenhuma referência bibliográfica ou artigos relevantes!!! Meu Deus…. 😞😞

    Post a Reply
  16. Gera muitas dúvidas sobre a veracidade das afirmações quando ele cita pesquisas e não informa a fonte (referências bibliográficas) das pesquisas. Soa como se o autor só utilizasse as pesquisas para confirmar o que diz mas sem mostrar as “tais pesquisas”…
    Achei muito interessante a ideia mas parece spam de WhatsApp.
    Poderia g a qualidade do texto mostrando nas referências os artigos que apoiam o que vc diz.

    Post a Reply
  17. Já faço jejum intermitente à mais de um mês. Diariamente pago 16h sem comer, como entre as 13h e as 21h. A primeira coisa que senti foi o fim dos meus problemas intestinais, durante anos não sabia pq os tinha e com isto curei-os. Sempre passo a comer várias vezes ao dia, os problemas intestinais recomeçam. Também acredito que a médio e longo prazo o jejum traga vários benefícios.

    Post a Reply
  18. Quem tiver interesse em se aprofundar no assunto com todas as referências bibliográficas que sentiram falta aqui, sugiro procurar os livros do norteamericano Dave Asprey.

    Post a Reply
  19. Foi acreditando nisso que minha irmã aos 43 anos deixou suas 3 fihas, e seguiu rumo à uma viagem sem volta!

    Post a Reply
  20. Você poderia me encaminhar quais artigos foram utilizados em tal texto?

    Post a Reply
  21. Nossa, nem continuei lendo essa materia, pois nao faz sentido. Sou portador de epilepsia. Um dos principais motivos de eu ter convulsoes eh eu ficar sem me alimentar. Esses caras estao viajando.

    Post a Reply
  22. Cada qual faz o que quiser a pesquisa esta ai e não obriga ninguém a nada. Santa ignorância.

    Post a Reply
  23. Essa galera dos comentários viaja demais com esse negócio de bíblia sagrada e Deus,espero que faca jejum mesmo é abra a cabeça. Precisamos fazer algo urgente antes que a indústria farmacêutica destrua ainda mais as próximas gerações.

    Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*