Ciência estuda o papel do jejum em caso de câncer

Um grupo de cientistas do Centro Nacional de Pesquisa para o Cancro, em Madrid, Espanha, está a estudar o papel do jejum no quadro oncológico, levantando a hipótese de que poderá haver vantagens em passar alguns dias ou semanas consumindo água e pequenas doses de alimentos, limitados a determinadas horas.

Estes cientistas explicam que o jejum vai alterar o metabolismo e diminuir a multiplicação das células, espoletando um mecanismo de autofagia, isto é, o organismo vai começar a consumir as suas próprias células, começando pelas que estão doentes.

A equipa do Centro Nacional de Pesquisa para o Cancro de Madrid entende que o jejum pode ser muito mais profícuo do que uma restrição calórica que “é mais radical e difícil de manter”. Para estes investigadores, “a restrição calórica [deixar de comer totalmente certos alimentos] tem efeitos indesejáveis, como o facto de a pessoa estar constantemente com fome, ficar sem libido e sem vida social”, explica o coordenador daquele grupo, Manuel Serrano.

jejum e cancer (estudo)

Numa recente experiência

Numa experiência recente com ratos, esta equipa de cientistas verificou que na sequência de um jejum, de um a dois dias, os animais desenvolveram mais o gene P21, responsável por restringir a divisão celular, limitando o desenvolvimento tumoral.

Mais tarde, num ensaio com voluntários, realizado no Instituto da Alimentação, cujas conclusões serão publicadas em breve numa revista científica, os resultados foram os mesmos. Ou seja, o que se verificou com os ratos acontece com os humanos.

“O Gene P21 limita a proliferação celular, sobretudo no cabelo, no intestino, nos ossos, as zonas mais afetadas pela quimioterapia”, explica o co-autor do estudo, Pablo Fernández-Marcos, acrescentando que “nenhum dos voluntários teve qualquer problema”.

Estados Unidos na corrida

Igualmente, na Universidade do Sul da Califórnia há muito que se estuda o papel do jejum num quadro clínico de câncer.

A equipa de Valter Longo chegou à conclusão, por exemplo, que os ratos que eram submetidos a quimioterapia suportavam melhor os tratamentos, se tivessem estado em jejum por um dia ou dois.

Longo criou uma dieta de jejum [come-se pouco e apenas em determinadas horas do dia] e verificou que os bichinhos que tinham cancer da mama ou da pele começaram a evidenciar um sistema imunitário menos letárgico e a aniquilar células tumorais. Ao que parece, e segundo a perspetiva deste cientista, “jejuar tem um efeito rejuvenescedor”.

Esta equipa também fez ensaios com humanos e chegou à conclusão que o jejuar também influencia positivamente em doenças cardiovasculares, na diabetes, na obesidade.

Author: admin

Administrador do "Tema-Livre"

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*